Conheça os mais antigos pontos de cachorro-quente da cidade

0
277
Conheça a história dos mais antigos vendedores de cachorro-quente da cidade. Próximo do Terminal Barreirinha, na Praça Júlio Dotti, Sérgio Luiz Borba, de 59 anos, tem seu ponto desde 1986. Curitiba, 09/04/2018. Foto: Luiz Costa/SMCS.

O cachorro-quente se consagrou como lanche da noite curitibana. O horário é sempre noturno, começa às 19h e pode ir até 6h, nos 477 pontos para ambulantes que comercializam o produto na cidade. Muitos deles já criaram história nos seus pontos, assim como uma clientela cativa.

Conheça a história dos mais antigos vendedores de cachorro-quente da cidade. Próximo do Terminal Barreirinha, na Praça Júlio Dotti, Sérgio Luiz Borba, de 59 anos, tem seu ponto desde 1986. Curitiba, 09/04/2018. Foto: Luiz Costa/SMCS.

É o caso de Elizeu dos Santos Pinto, 47 anos, que trabalha com o cachorro-quente desde os 12 anos. Seu pai era funcionário na barraquinha de outra pessoa quando, em 1983, a Lei nº 6.407 regulamentou a atividade. “Nessa época, meu pai decidiu ter seu próprio ponto e eu fui ajudar”, conta Elizeu. Ainda no mesmo bairro, o Bacacheri, Elizeu tem barraca na Avenida Prefeito Erasto Gaertner.

Os clientes daquela época continuam frequentando o local, assim como novos apreciadores. O sucesso acabou trazendo também pessoas de outras cidades que, diz Elizeu, brincam com o jeito curitibano de chamar o principal ingrediente do produto. “O pessoal de fora fala de brincadeira, mas curitibano mesmo fala vina”, salienta Elizeu, que já chegou a vender mil cachorros-quentes em uma noite.

Próximo do Terminal Barreirinha, na Praça Júlio Dotti, Sérgio Luiz Borba, de 59 anos, tem seu ponto desde 1986. Ainda jovem começou a trabalhar com alimentos em um bar do bairro Abranches, onde mora, até que seu pai lhe deu a ideia da nova empreitada. “Foi muito complicado no começo, pois o povo não tinha o costume de comer cachorro-quente”, lembra Júlio.

Após difíceis três anos, a atividade começou a prosperar e o cachorro-quente caiu no gosto dos curitibanos. Hoje, Borba se orgulha de ter clientes antigos e assíduos. O diferencial, afirma, está em seu molho caseiro, preparado pela esposa. “O pessoal diz que não tem igual”, comenta. A inovação também fez parte da história e rendeu muitos clientes. “Fomos os primeiros a colocar purê de batatas no cachorro-quente”, orgulha-se.

Albertino Galdino, de 69 anos, conta que o gosto dos clientes foi mudando com os anos e novos ingredientes foram sendo incorporados à receita tradicional. “Antes era mais simples, agora tem bacon, calabresa, etc.” O ambulante trabalha no Centro há dez anos. “Tem dias que tem muito movimento”, ressalta.

O cachorro-quente foi uma grande mudança para Galdino. No passado, era servente de pedreiro, quando descobriu uma doença grave que o impediu de trabalhar em obras e construções. O comércio ambulante foi a alternativa encontrada para o pai de sete filhos. “Não posso reclamar, tenho clientes antigos e sustentei minha família assim”, comenta.

Vendedor ambulante regularizado

O comércio ambulante é regulado pela Lei nº 6.407/1983, que permite o exercício da atividade em locais e horários determinados. É preciso que a mercadoria também seja legalizada e, em caso de comércio de alimentos, além de se conhecer a origem, o interessado deve ter curso de manipulação, para evitar a contaminação.

A Secretaria Municipal do Urbanismo tem um plantão todas as tardes para orientar e tirar dúvidas da população em relação ao comércio de rua. Fica na Rua da Cidadania da Matriz, na Praça Rui Barbosa, e funciona de segunda a sexta-feira, das 8h às 17h.

Mais informações sobre o licenciamento podem ser encontradas no site da Prefeitura de Curitiba, o www.curitiba.pr.gov.br.

** Com Prefeitura Municipal de Curitiba

DEIXE UMA RESPOSTA