Sociedades santanenses literárias e culturais a partir dos anos 60.

0
66
Na década de 60 foi fundada em nossa fronteira, congregando poetas e escritores santanenses e riverenses, a ACADEMIA INTERNACIONAL DE LETRAS, de que faziam parte o poeta e dentista santanense Dr. Gildásio de Oliveira, a poetisa professora e artista plástica riverense Iris Urquhardt, o escritor santanense João Wander Tonetto, o poeta riverense Jose Peraza Lavin e a poetisa santanense Alice Mendes de Farias, entre outros.
Depois, na década de 70, tivemos a COESLI, COOPERATIVA DE ESCRITORES DE LIVRAMENTO, que funcionava no Restaurante Adega 830 e da qual participavam além de mim, os irmãos Roberto, Carmen e Luis Alberto Ponte que eram os donos do local, o poeta Aguinaldo da Cruz Rodrigues, o poeta Darci Trindade (Santa Maria), o poeta e declamador Lenço Branco Velocinio Silveira, o poeta Nicolau Rodrigues, o escritor Arlindo Coitinho, o jornalista Danilo Ucha e a professora Núbia Maria Martins.
O CENTRO CULTURAL JOSÉ HERNÁNDEZ, fundado em 1978, tinha como objetivo congregar poetas e escritores santanenses e riverenses em torno da idéia de divulgar a obra de Jose Hernández e também da arte, da música e da literatura fronteiriças. A primeira reunião foi feita na casa do José Newton Ribeiro Canabarro e dela participaram eu, o Aguinaldo da Cruz Rodrigues, Paulo Guggiana, Romeu Celeste Tonetto, Ernesto Cunha, João Paulo Cecatto, Paulo Roney Ávila Fagúndez, José Luís Bragança, Moises Dutra de Moraes, Luis Rudney Pereira, Darci Tavares, Suse Bernardette Lopes e José Perazza Lavin, vindo mais tarde a se juntarem ao grupo Carlos das Virgens de Quadros, Prof. Darci Muller, Dr. Zuil Pujol e Arlindo Coitinho.
Mais tarde, no início da década de 80, surgiu a SOCIEDADE AMIGOS DE MARTIN FIERRO, que funcionava no Cartório do Dr. Garcez (no prédio da Rua Rivadávia Correa, esquina com a Rua Uruguai, onde morou José Hernández) da qual participaram, além de mim, o Dr. Garcez, o Dr. Zuil Pujol, o historiador Ivo Caggiani, Marcelo Mota Hechtman (o Gordo Marcelo da Livraria), o poeta e compositor José Rufino de Aguiar Filho, o periodista riverense Martin Correa e o empresário cronista e advogado Dr. Renato Levy.
Depois vieram a CAPOSAN – CASA DO POETA SANTANENSE, fundada pela escritora, poetisa e artista plástica Amarina Prado, que reune poetas e escritores santanenses e riverenses, entre os quais as poetisas Maira Araujo, Enar de Souza, Teresa Araújo, Lolinha Ucha, Vilma Menezes, Soilamar Ribeiro, Marili Rodrigues, Verônica de Nazaré, Maria de Lourdes Echeveste Castro, Maria Elisa Braz, Marli Rocha Flores, o escritor Roberto Araujo, professor Antonio Garim, o professor Darci Müller, o Dr. Renato Levy, o poeta e escritor Edgar Soares Anchieta, o radialista Antonio Carlos Cunha Valente e tantos outros.
A ORDEM ACADÊMICA DOS INTELECTUAIS DO CONE SUL, fundada pelo poeta e escritor Dyrceu Falcão Ibaldo e seus companheiros poetas Luis Carlos Ojeda Balsemão e Jorge Silva dos Santos, contando com o apoio e a colaboração do SESC e do seu gerente Jose Norberto Oliveira. Também faziam parte desta ordem o poeta Nereo Mendes, as poetisas Marli Flores, Teresa de Araujo, Maria Blanca Silva de Fígoli (Blanquita), Carmen Ojeda, Etelvina, Enar de Souza, o professor e teatrólogo Michel Croz Martins, o radialista Antonio Carlos Valente, o escritor José Perazza Lavin, o artista plástico Norberto Araujo, o escritor riverense Roberto Araujo, o periodista Carlos Maria Lima, os poetas Vandir Thomaz de Vargas e Glauber Lima.
E finalmente a ACADEMIA SANTANENSE DE LETRAS, fundada pela professora, poetisa e escritora Nylza Osório Jorgens Bertoldi, ao lado das professoras Maria Shenkel Ibarra, Marlene Coli Pedroso, Núbia Maria Martins, Lúcia Regina Abreu Fialho, Maria Helena Abrão Schorr, Marilena Paiva Facin, Conceição Aquino Machado, Teresa Zulmira de Almeida, e dos escritores engenheiro Dr. Ricardo Almeida , poeta e advogado Dr. José Luís Bragança, poeta Paulo Cesar Gutierrez Guggiana, teólogo e escritor Dyrceu Falcão Ibaldo, veterinário Dr. Eri Aurélio Rivas da Maia e o médico cardiologista Dr. Zuil Pujol. Com o passar do tempo vieram a fazer parte da Academia Santanense de Letras o Dr. Francisco Jansen Ferreira, o Dr. Claudio Munhoz, o médico e escritor Dr. Marcelo DAvila, o poeta e compositor Lauro Antonio Correa Simões, eu, o professor Darci Muller, o poeta Gildásio Taborda Barbosa, o médico Dr. Getúlio Neves, o professor e teatrólogo José Newton Ribeiro Canabarro, escritoras Celina Albornoz, Elvira Procópio Correa, Miriam Gusmão, Cecília Amaral, D. Carmen Maria Albornoz Serralta, Maria Regina Prado Alves, Vera Machado, o poeta e historiador Carlos Alberto Potoko, os jornalistas Kenny Braga, Danilo Ucha, Juremir Machado da Silva, historiador Victor Hugo Gonzalez Vargas e o poeta Ronaldo Viega Alves. E, por favor, me avisem se deixei de citar alguém aqui.
Dos companheiros de atividade cultural e literária, perdemos Ivo Caggiani, Paulo Cecatto, Paulo Guggiana, Darci Trindade (Santa Maria), Roberto Ponte, Nicolau Rodrigues, Darci Lindolfo Muller, Lauro Antonio Correa Simões, José Rufino de Aguiar Filho, Thereza Zulmira de Almeida, Maria de Lourdes Echeveste Castro, Joarez Fernandes, Professora Núbia Maria Martins, Marcelo da Livraria, Vilma Martinez de Menezes, Iris Urquhardt, Dr. Gildásio de Oliveira, Alice Mendes de Farias, Imahero Pereira, Blanca Silva Garcia de Fígoli (Blanquita), escritor Arlindo Coitinho, Dr. Getúlio Neves, professora Maria Helena Abraão Schor, o jornalista Danilo Ucha, a poetisa Lolinha Ucha e o escritor e veterinário Eri Aurélio Rivas da Maia.

DEIXE UMA RESPOSTA