Mutirão do Bairro Novo encaminha trabalhadores para vagas de emprego

0
45
Mutirão do Bairro Novo encaminha trabalhadores para vagas de emprego fazem Mutirões da Cidadania nas dez regionais de Curitiba. - Na imagem, Sine Móvel no Mutirão. Curitiba, 07/08/2017 Foto:Ricardo Marajo/FAS

O atendimento a quem procura emprego foi um dos mais requisitados na tarde desta segunda-feira (7/8) durante o primeiro dia do Mutirão da Cidadania do Bairro Novo. O serviço é um dos cerca de 130 que estão sendo disponibilizados à população, que incluem ainda orientações contábeis para microempreendedores individuais e para obtenção de microcrédito e alvarás comerciais, além de emissão de carteira de trabalho.

De acordo com o prefeito Rafael Greca, esses serviços são especialmente relevantes num momento em que o país inteiro procurar superar a crise econômica e diminuir os índices de desemprego. “O trabalho dignifica o homem, é missão dos governantes auxiliarem no que for possível para superarmos essa crise que atormenta a todos — mas especialmente aqueles que buscam trabalho — o mais rapidamente possível”, avalia.

O estudante André Gonçalves Moreira, 23 anos, foi embora do mutirão satisfeito. Ele, que procura emprego desde janeiro, conseguiu ser encaminhado para uma vaga de almoxarifado. “Tive que trancar o curso de administração por falta de recursos. Com o emprego — e consequentemente com dinheiro —, espero voltar à faculdade no próximo semestre”, contou ele.

Moreira passou uma hora na fila do Sistema Nacional de Empregos (Sine) — que teve no primeiro dia do mutirão mais de 150 pessoas. Segundo os atendentes do sistema que atendem os interessados, cerca de 50% das pessoas que procuravam por emprego saíram de lá com um encaminhamento para vaga.

Os interessados devem ir pessoalmente ao quiosque do Sine no Mutirão, entre 13 e 19 horas, levando carteira de trabalho e RG. O encaminhamento é feito apenas se houver vagas que casem com o perfil do candidato.

Quem foi ao Mutirão da Cidadania nesta segunda-feira disse que ficou sabendo do serviço ao ver uma reportagem no jornal. É o caso do Alexandro de Lima, 21, que está há um ano desempregado. Nascido em Cascavel, ele chegou a Curitiba há cinco meses, a procura de emprego.

“Eu trabalho desde os 13 anos, porém sempre informalmente, o que as empresas não levam em conta”, disse. “Agora estou correndo atrás de algo que tenha valor para os RHs. Fiz, por exemplo, um curso de logística recentemente.”

Cristiane Aparecida, 35 anos, também veio do interior — mais especificamente São Jerônimo da Serra (PR) — em busca de melhores oportunidades. Assim com Alexandro, ela trabalhava informalmente numa lanchonete em sua cidade. Está na capital há sete meses, tempo em que busca emprego. “Meu marido veio para Curitiba a trabalho, vim junto e acabamos ficando”, contou ela, que ainda aguarda uma vaga correspondente ao seu perfil.

Crise
Segundo Janaína Calixto, 29 anos, que também busca emprego, o problema geral é a crise financeira. “Há sete anos, eu lembro de sair de um emprego e, em poucos meses, surgirem vagas”, contou.

Até um ano atrás, Janaína trabalhava na área de produção de uma fábrica, mas foi dispensada após o trabalho que fazia ser automatizado na empresa. Agora, busca por uma recolocação no mercado de trabalho na área de vendas. “Mas tem pouca vaga e muita gente procurando”, afirmou.

O cenário aparentemente difícil para busca de vagas não desanimou a diarista Elizandra Ferreira, que foi ao Mutirão da Cidadania para solicitar a primeira carteira de trabalho dos seus filhos — um de 14 anos e outro de 17.  “Meu filho mais velho acabou de terminar o ensino médio e quer fazer faculdade. Com um emprego, ele poderá buscar um curso que podemos pagar”, contou.

Elizandra disse ainda que voltará ao Mutirão com a amiga, que quer fazer a identidade do próprio filho, que tem poucos meses de vida. Além de pleitear uma vaga de emprego num ramo novo para ela: funerária ou IML. “Queria trabalhar com algo que ajudasse as pessoas quando elas precisam”, revelou.

 

SERVIÇO
Mutirão da Cidadania do Bairro Novo
7 a 12 de agosto
Clube da Gente – Entradas pela Rua Ourizona, 1.671, e pela Rua Marcolina Caetana Chaves, 150.
Segunda a sexta-feira:  13 às 19 horas
Sábado: 9 às 17 horas
Mais informações: (41) 3564-4641 ou 3298-6812.

 c

DEIXE UMA RESPOSTA